Tendências para imagens médicas em 2020

0

Tendência 1: Uma aquisição mais rápida permite uma melhor qualidade de imagem
Um objetivo sempre presente da radiologia digital é obter o máximo de informação possível. Em 2020, a capacidade de aquisição mais rápida está possibilitando muitas aplicações avançadas de geração de imagens e ampliando a função dos sistemas tradicionais de radiologia.

Por exemplo, as mais recentes tecnologias avançadas de imagem médica da Carestream – Tomossíntese Digital e Dual energy – fornecem aos radiologistas mais informações para o diagnóstico. Ambas melhoram a visualização da anatomia do paciente detecção aprimorada de detalhes sutis que podem ser difíceis de visualizar nas radiografias 2D tradicionais.

O software de tomossíntese digital adquire uma série de imagens individuais de vários ângulos diferentes, que são analisadas para fornecer informações detalhadas sobre a anatomia do paciente. Ao separar estruturas sobrepostas, ele fornece detecção aprimorada de detalhes sutis que podem ser difíceis de visualizar nas radiografias 2D tradicionais.

enfermeira olhando radiografia de tórax em um PAC,
As mais recentes tecnologias avançadas de imagens médica da Carestream fornecem aos radiologistas mais informações para diagnóstico.
Perdemos muitas informações quando anatomia e patologia são sobrepostas”, explica o Dr. Narinder Paul, da Universidade Western. “A Tomossíntese digital nos permite suprimir a patologia sobreposta para revelar doenças. Isso é benéfico nos casos em que a patologia pode ser mascarada pela anatomia sobreposta, como o pulmão.”

A segunda tecnologia avançada de visualização da Carestream em 2020 é a Dual energy. Nossa tecnologia Dual energy alterna entre exposições de alta e baixa energia, usando uma filtragem de diferenciação patenteada para capturar duas imagens em sucessão. São produzidas duas imagens: uma apenas para tecidos moles e outra apenas para ossos – mas a dose é a mesma que uma radiografia convencional de tórax. Isso dá aos radiologistas a capacidade de remover ou destacar estruturas. Por exemplo, um radiologista pode destacar o osso para ver uma fratura de costela que, de outra forma, poderia ser perdida. Ou então, remover o osso da imagem para ver a anatomia subjacente.

Outra inovação de captura aprimorada de imagens de raios X do tórax é o Software SmartGrid.O software de captura de imagem reduz os efeitos prejudiciais da dispersão de radiação em uma imagem – ajudando a melhorar o contraste da imagem quando uma grade antidispersão física não é usada. Um estudo clínico que avaliou imagens de tórax portáteis com grade e sem grade no University of Rochester Medical Center descobriu que o processamento do SmartGrid teve uma preferência significativamente maior em comparação com as imagens sem aprimoramento do SmartGrid.

Outros avanços recentes no processamento de imagens da Carestream que continuarão a ajudar a melhorar o diagnóstico em 2020 e adiante incluem:

EVP (Enhanced Visualization Processing [Processo de visualização aprimorada]) Plus
Visualização de tubo e linha
Supressão óssea
Geração de imagens longas
Visualização de pneumotórax
Recursos pediátricos
Esses recursos foram desenvolvidos através do Eclispe, nosso sistema de processamento de imagens, que usa algoritmos proprietários e poderosos para fornecer processamento de imagem automatizado e robusto que oferece excelente qualidade de imagem e apresentação consistente.

Também em 2020, espera-se que os detectores continue acompanhando os aplicativos avançados de processamento de imagem. Um exemplo recente é o detector CARESTREAM DRX Plus 2530C, que oferece resolução aprimorada para capturar os mínimos detalhes de estruturas anatômicas em pacientes pediátricos.

Tendência 2: Ganhos em eficiência de otimização de dose
Atingir a eficiência em otimização de dose há muito tempo é uma competência essencial da Carestream e estamos tirando proveito dessa vantagem competitiva em 2020.

enfermeira inserindo o Detector DRX Plus-2530c na incubadora de bebês da UTIN
O detector CARESTREAM DRX Plus 2530C, que oferece resolução aprimorada para capturar os mínimos detalhes de estruturas anatômicas em pacientes pediátricos.
Por exemplo, a dose de radiação da nossa solução Dual Energy é equivalente à dose de um único raio X PA no tórax, mas fornece muito mais informações de diagnóstico. Por esses motivos, acreditamos que a Dual Energy tem potencial para se tornar o novo padrão de cuidado em imagem de tórax.

Além disso, nosso exame de tomossíntese digital tem dose menor do que um exame de diagnóstico por TC (tomografia computadorizada); e O SmartGrid reduz os efeitos prejudiciais da radiação de dispersão em uma imagem – ajudando a melhorar o contraste da imagem quando não é usada uma grade física antidispersão. Todas essas aplicações de dose eficiente são ativadas pelo maior DQE (eficiência quântica de detecção) em nossos detectores DRX plus.

Para aplicações ortopédicas, a dose de radiação do Sistema de Extremidade 3D CARESTREAM OnSight é 1/3 da de uma TC tradicional. Dependendo do paciente, uma imagem de TC da Carestream OnSight System pode evitar que ele receba radiação, explica o Dr. Anish R. Kadakia, Professor de cirurgia ortopédica na Northwestern University/Northwestern Memorial Hospital.

Além dos avanços tecnológicos, as iniciativas conduzidas pela radiologia continuarão a reduzir a exposição do paciente. Um relatório publicado em 2019 pelo Conselho Nacional de Proteção e Medições de Radiação demonstrou que as doses caíram de 15% a 20% entre pacientes nos EUA entre 2006 e 2016. O relatório credita a queda da dose as iniciativas conduzidas pela radiologia, como as campanhas Image Gently e Image Wisely, juntamente com uma maior utilização do Registro do Índice de Dose ACR e requisitos obrigatórios de credenciamento do centro de imagens. (1)

Tendência 3 – Captura de imagem 2D evoluindo para 3D
Por décadas, o raio X 2D tem sido a espinha dorsal da imagem diagnóstica. Mas o 3D é o futuro das imagens médicas?

“Sem dúvida, o raio X 2D tem limitações”, explica o Dr. Paul. “Você está colocando uma estrutura 3D em uma placa 2D”.

A Carestream está investindo em aplicativos avançados de criação de imagens para superar essas limitações. Por exemplo, nosso software de Tomossíntese Digital está trazendo recursos de imagem 3D para as salas de radiografia digital (RD).

Já fornecemos imagens 3D no mercado ortopédico na forma de nosso sistema de extremidade 3D OnSight. O Dr. Brendan Adler, da Envision Medical Imaging, que usa o OnSight System, acredita que os aplicativos de imagem 3D continuarão evoluindo. “De modo geral, existe uma tendência na radiologia de que a imagem em 2D seja uma ferramenta de gerenciamento bastante útil. Mas, basicamente, o teste de diagnóstico será um teste de métrica corporal 3D, e isso não ocorre apenas na ortopedia.”

Os scanners de TC e RM também estão evoluindo para produzir imagens 3D mais nítidas com resolução extremamente alta, menos ruído e doses mais baixas. A visualização em 3D, assim como a renderização cinematográfica, cria imagens fotorrealísticas da anatomia, ajudando no planejamento e na interpretação da cirurgia para determinar se um tumor é cancerígeno.

Além disso, a tomossíntese mamária é agora o padrão de atendimento para a triagem de mamografia, enquanto o ultrassom 3D garante que o ultrassom tenha capturado toda a anatomia com a digitalização.

Muitos desses avanços nas imagens médicas em 3D são possíveis devido ao poder computacional que agora está disponível a um custo relativamente baixo, além do tremendo aumento na velocidade da rede que permite a transmissão de grandes conjuntos de dados em imagens 3D.

A velocidade da rede sofreu um “aumento de mil vezes”, de 10 megabits por segundopara10 gigabits por segundo, de acordo com Gordon Harris, diretor do 3D Imaging Service do Departamento de Radiologia do Massachusetts General Hospital . “Esse aumento na velocidade da rede nos permitiu trabalhar com conjuntos de dados muito maiores, para poder fazer o download e movê-los”, disse ele à Health Tech Magazine. (2)

Tendência 4 – IA como umalente adicional para análise de imagens médicas
A inteligência artificial domina faixas e títulos de sessões em conferências de imagens e manchetes do setor há vários anos. Embora tenha o potencial, no longo prazo, de alterar drasticamente as imagens médicas, no momento, existem aplicativos limitados aprovados pela FDA para o uso de IA em Radiologia Digital; e a adoção no setor de saúde em geral tem sido lenta.

enfermeira segurando o tablet com ilustração 3D do corpo humano aparecendo fora do tablet
A IA também tem muito potencial para melhorar a eficiência operacional em radiologia no curto prazo.
No curto prazo, a IA terá um papel como lente suplementar para a análise de imagens médicas, identificando alterações mais sutis nas digitalizações e reduzindo o tempo de planejamento do tratamento, analisando grandes quantidades de dados. A IA também tem muito potencial para melhorar a eficiência operacional, liberando especialistas de tarefas repetitivas e triviais.

O uso da IA e a mudança para a imagem 3D se complementam, pois há uma quantidade enorme de informações nas imagens que podem ser analisadas por um computador e apresentadas ao radiologista ou médico responsável pelo encaminhamento.

Quais tecnologias e tendências você acredita que terão maior impacto nas imagens médicas em 2020? Deixe seu comentário abaixo.

Xiaohui (Ed) Wang, Ph.D. é diretor de sistemas de imagem, inovação e plataformas de pesquisa e desenvolvimento na Carestream Health. Ele tem 26 anos de experiência em pesquisa e desenvolvimento de sistemas de imagens médicas, incluindo radiografia digital e tomografia computadorizada.

Referências
Health Imaging
Health Tech Magazine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.